Escutar o meu corpo – 143 de 365

corpo

Desde que entrei na adolescência que criei uma relação não muito saudável com o meu corpo. Sabendo eu hoje que a minha mente interfere com a minha realidade física, consigo ver o porquê de isso acontecer.

O meu corpo era o meu inimigo e ele estava entre mim e o bem-estar que eu iria sentir quando a imagem que estava no espelho fosse aquela que eu queria ver.

Não posso dizer que me foi passado directamente um conceito de beleza, mas eu impus a mim mesma uma imagem que tinha de alcançar para ser bonita.

A minha baixa autoestima punha-me numa posição inferior a toda a gente e não conseguia sentir-me bem com aquilo que eu era.

O meu corpo foi-me dando sinais que a minha conduta não era muito boa para mim, mas eu suprimi essa mensagem, ficando cada vez mais frustrada por tudo o que ia acontecendo na minha vida.

Hoje sinto que tenho uma postura diferente. Cada vez que tenho um sintoma físico sei que é um sinal que algo não está bem. Existe culpa, medo, resistência…; tudo causado por conceitos obsoletos que eu tenho em relação à vida.

A relação com o meu corpo está diferente. Quando me olho no espelho, não procuro a beleza nos traços físicos que se aproximam de um padrão de beleza.

Procuro um sorriso, uma luz no olhar que mostra que eu me sinto bem comigo mesma e com a vida.

Procuro o entusiasmo por cada segundo novo, repleto de novas possibilidades.

Por muito cliché que isto possa parecer, só quando me sinto bonita por dentro é que posso ver essa beleza por fora.

Quando não me sinto bem comigo mesma, posso fazer mil e uma coisas fisicamente, que nunca encontro aquela “chama” de bem-estar que procuro.

Estar bem comigo mesma é uma forma (talvez mesmo a única) de garantir que tudo flui bem!

Obrigado!

Ângela Barnabé 

Foto original por Luis Villasmil on Unsplash

Quero as coisas à minha maneira! – 112 de 365

coisas à minha maneira

Estão a ver aquelas crianças que fazem birra porque não lhes dão as coisas que elas querem, da maneira que elas querem? É isso que eu sou quando quero as coisas à minha maneira.

Hoje estava a pensar no quão estúpido é forçar e manipular, achando ser eu a dona da verdade.

No meio de uma gama tão ampla de opções e possibilidades que nem nos meus sonhos posso conceber, com uma consciência tão limitada como a minha, como é que eu posso achar que sei o que é melhor?

É tão bom por ação e ver as coisas desenrolarem-se de uma maneira perfeita, com plena confiança naquilo que me é apresentado.

É uma sensação bastante diferente do controlar e manipular e no final sentir que tudo é uma ilusão e que poderia ter algo melhor.

A vida é tão maravilhosa quando deixo que ela aconteça.

Obrigado por todas as vezes em que confiei e tudo correu bem e por todas aquelas em que não confiei e mesmo assim tudo correu pelo melhor.

Obrigado!

Ângela Barnabé

Foto original por Shannon Richards on Unsplash

A aceitação permite a mudança – 101 de 365

aceitação permite mudança

Durante muito tempo foquei-me nas minhas limitações. Ocupava a minha mente com os aspetos que não gostava em mim, desesperada para que ocorresse uma mudança.

Só há pouco tempo é que me apercebi que fazia isso, mesmo sabendo que o primeiro passo para mudar é aceitar.

Gostar de mim é sinónimo de aceitar todos os meus traços, mas isso não invalida a mudança.

Hoje vi uma fotografia minha de 2007, quando tinha apenas 11 anos. Observei a alegria no olhar daquela criança, uma alegria que nunca pensei voltar a experienciar.

Mas agora neste momento, enquanto escrevo este texto sinto alegria. Os meus dias estão repletos de sentido e felicidade.

Com o tempo tenho vindo a aceitar-me e a largar tudo aquilo que só me traz sofrimento. Tenho criado sonhos, projetos e principalmente tenho estado focada em viver o momento presente e a valorizar tudo aquilo com que sou presentada.

Todas as possibilidades estão aqui, neste lugar.

Ainda que tenha escolhido durante muito tempo ser a minha própria inimiga, hoje cultivo uma relação cada vez melhor comigo mesma.

A mudança começa com a aceitação, porque através dela posso escolher a partir de um lugar de amor.

Enquanto quis mudar as coisas para que pudesse gostar de mim, estava numa postura de resistência àquilo que eu precisava trabalhar.

Mas quando gosto de mim e me permito ser uma pessoa melhor para mim, tudo muda e passo gostar cada vez mais de mim, dos outros e da vida.

Obrigado!

Ângela Barnabé

Foto original por Antonina Bukowska on Unsplash

A maldição da comparação – 96 de 365

comparação

Hoje estava a observar as flores no jardim da Casa Escola António Shiva e relembrei-me de um excerto de uma palestra de Osho que diz:

“As rosas florescem tão maravilhosamente porque não estão tentando converter-se em lótus. E os lótus florescem tão maravilhosamente porque não ouviram histórias de outras flores. Tudo na natureza anda tão maravilhosamente em harmonia, porque ninguém está tentando competir com alguém mais, ninguém está tentando converter-se em outro. Tudo é como deve ser.”

 Osho*

Observei diferentes tipos de plantas, algumas com flores e outras com maravilhosas folhas. Cada uma com a sua essência, com o seu crescimento.

Assim somos todos nós.

Durante muito tempo vivi na perseguição de uma imagem de mim mesma, criada com base na comparação com os outros. Buscava essa mesma imagem porque achava que ao alcançá-la me iria sentir bem comigo mesma. Seria como os outros e seria feliz.

Mas as coisas não são bem assim.

O bem-estar está em sentir-me bem comigo mesma, da forma como sou, com as características que tenho.

Apenas a aceitação daquilo que sou e das minhas limitações me permite ser uma pessoa melhor.

Enquanto quiser ser como os outros, enquanto comparar o meu crescimento com os outros, serei uma semente “confusa”, à espera de desabrochar, mas sem conseguir fazê-lo porque estou a ir contra a minha essência.

Por todo o lado ouvimos que temos ser quem nós somos e acho que aos poucos começo a ver que aquilo que percebi disso não é bem aquilo que eu estava à espera.

Ser quem sou não é criar uma imagem de mim mesma e persegui-la. É aceitar aquilo que sou e permitir que as minhas limitações se transformem em bênçãos e ao aceitar-me sentir-me cada vez melhor comigo mesma.

Obrigado!

Ângela Barnabé

 

*https://angelabarnabe.solucaoperfeita.com/amar-se/

Tudo acontece na perfeição – 79 de 365

perfeiçãoSempre achei que alguns tinham nascido com sorte e que eu, não pertencendo a essa elite, teria que batalhar e lutar por uma vida melhor.

Mas acabava sempre por não fazer nada, porque preferia passar o tempo a lamentar as condições em que me encontrava, em vez de mudar aquilo que vivia.

Alcançar objetivos não se trata de lutar, de batalhar, mas sim de deixar fluir.

Tenho que fazer a minha parte, mas na altura certa tenho que largar e confiar.

A minha sorte sou eu que a faço, através da minha postura em relação à vida.

Se alguém consegue ter algo, de certeza que eu também conseguirei obter isso mesmo.

Posso ter que trilhar um caminho diferente e posso até demorar mais tempo a atingir um objetivo, mas posso ter a certeza que tudo acontece na perfeição.

No momento certo tudo se encaixa e as coisas fluem da melhor forma possível.

Só tenho que fazer a minha parte: sonhar, pôr ação e confiar, pois tudo acontece na perfeição.

Obrigado!

Ângela Barnabé

Foto original por Chris Barbalis on Unsplash

Viver o que acredito – 44 de 365

A minha vida é resultado daquilo em que acredito. Nada daquilo que experiencio diariamente é da responsabilidade dos outros. Seja o que for que aconteça, a reação que eu tenho, aquilo que eu escolho fazer da situação, é inteiramente da minha responsabilidade.

No passado não me sentia satisfeita com a vida que tinha e sabia que tinha que existir uma mudança, mas não estava a pensar na mudança certa.

Pensava que os outros tinham que mudar, que a vida tinha que mudar, mas que eu podia permanecer a mesma porque eu estava certa, eu é que tinha razão…

No fundo eu sempre recebi aquilo em que acreditava. Acreditava que a vida era injusta, que eu não podia merecer algo melhor enquanto não atingisse uma determinada imagem de mim… Era isso que eu experienciava: uma vida que não correspondia àquilo que eu queria, mas que correspondia àquilo que acreditava.

Para mudar aquilo que vivo basta mudar aquilo em que acredito.

Acredito num mundo de amor ou de ódio? Acredito que mereço todas as bênçãos do mundo ou que a vida é injusta? Acredito que sou capaz de realizar o que conceber ou que não tenho talento para nada?

É uma questão de escolha. Se quiser mudar aquilo que vivo, decido mudar e dou o primeiro passo.

A vida pode ser um paraíso ou um inferno. Posso viver a mais linda caminhada, em que cada passo me leva sempre para o melhor resultado possível ou posso arrastar-me todos os dias numa vida que não me realiza.

Hoje estou cada vez mais satisfeita com a realidade que experiencio, porque escolhi mudar e tenho permitido que as mudanças aconteçam.

Acredito num mundo cada vez melhor, acredito em dias cada vez melhores e sei que é isso que acontecerá até que eu queira…

Obrigado!

Ângela Barnabé

Foto original por Brian Garcia on Unsplash

Pin It on Pinterest