Obrigado 2017 – Inventário Anual

E aqui estou eu no final de mais um ano, mas propriamente no início do ano de 2018.

2017 foi o melhor ano da minha vida. Por incrível que pareça, uma das coisas que fez este ano melhor foi o facto de as coisas não acontecerem como esperado.

Comecei o ano com muitos medos, muitas inseguranças e terminei-o mais confiante, mais segura.

Decidi partilhar uma grande parte de mim em todas as reflexões diárias e trazer essa mesma energia para o meu dia-a-dia. “Descasquei” muitas camadas e permiti aceitar-me como sou, com todos os traços que amo e todos aqueles que ainda não aprendi a amar.

Surpreendi-me a mim mesma, pois vi-me a fazer coisas que sonhava, mas que nunca tive coragem de fazer.

Aprendi que a vida é mágica (ou pelo menos fiquei mais desperta para o facto de), no sentido em que tudo, mas mesmo tudo, acontece no momento certo, da forma mais perfeita possível.

Não usufruiu de todos os momentos. Ainda consigo apontar situações em que resisti, em que me culpei e em que neguei o fluxo das coisas. Mas aprendi que a única coisa que dita a forma como eu me sinto é a minha escolha.

Responsabilizei-me por muitos aspetos, principalmente episódios que aconteceram no passado, nos quais eu culpava e apontava o dedo aos que me rodeavam, em vez de ver que era eu que criava todas aquelas situações.

Tornei-me aos poucos naquela adulta que sempre quis ser. Lembro-me de aos meus seis anos pensar na pessoa segura que ia ser quando crescesse e com o passar dos anos aquilo em que me estava a tornar não tinha nada parecido com essa imagem que criei.

Hoje, se aquela menina de seis anos estivesse aqui comigo, muito provavelmente iria olhar para mim com admiração e respeito.

Essa admiração não seria devido ao facto de eu estar a corresponder a um padrão, ou de ser aquela menina bonita (uma imagem que eu sempre persegui), mas sim pelo facto de acima de tudo eu me sentir cada vez mais feliz e realizada com aquilo que sou.

Obrigado 2017 por me teres trazido todas estas bênçãos e por teres sido o ano fantástico de foste.

Bem vindo 2018, o melhor ano da minha vida!

Ângela Barnabé 

Obrigado novembro – Inventário Mensal 2017

No início deste mês pus como intenção fazer de novembro o melhor mês da minha vida. De facto, essa intenção concretizou-se. Refletindo e inventariando todas as coisas que aconteceram, posso afirmar que o mês de novembro foi um mês excelente.

As coisas não correram como eu queria, nem como eu planeara, mas como por magia os resultados foram melhores do que eu poderia imaginar.

A maior mudança na minha vida tem sido a minha postura em relação à vida e em relação a mim mesma. Tenho estabelecido uma relação mais amorosa comigo e isso, para além de me ajudar a reciclar o passado, tem-me ajudado a construir um futuro com base na aceitação e amor.

Apesar de ter tido muitas situações “contrárias” aos meus planos, senti que me permiti fluir melhor com os acontecimentos e isso fez toda a diferença nos resultados. Resistir apenas torna as coisas mais difíceis e nunca resolve nenhuma situação.

A vida é bela e eu por vezes é que complico tudo. Tomar consciência disso tem mantido o meu complicómetro no nível mais baixo e por vezes até mesmo desligado, algo que eu achava ser impossível.

Tem sido uma surpresa ver a minha metamorfose e ver que de facto é possível sentir-me bem comigo mesma, sempre, independentemente daquilo que acontece.

Continuo com a intenção de fazer este novo mês o melhor mês da minha vida e por isso dou as boas vindas (um pouco atrasadas) ao mês de dezembro, com uma postura de aceitação e de gratidão, para acabar o ano de 2017 da melhor forma possível.

Estou bastante entusiasmada com alguns projetos novos para 2018, focados na melhoria da visão, no desenvolvimento da mente criativa e na expansão da consciência.

Penso que nunca terminei um mês a sentir-me tão bem e estou a fazer tudo para que daqui a um mês esteja a escrever a mesma coisa, sentindo-me ainda melhor que hoje.

Obrigado novembro e bem-vindo dezembro.

Ângela Barnabé

Podes ler os artigos do mês de novembro clicando aqui!

Obrigado outubro – Inventário Mensal

Outubro foi um mês com bastantes desafios. Ao contrário de outras alturas, este mês decidi que em vez de pensar que esses desafios eram incómodos e que deviam ser evitados a todo o custo, iria usar todos os acontecimentos para a caminhada até ao meu objetivo.

Mas para isso foi necessário um objetivo, um sonho com metas. E então resolvi pôr ação num projeto, no qual poderei desenvolver algo que gosto de fazer. Tive medo, passei por momentos de insegurança, mas penso que nunca cheguei ao final de um mês tão satisfeita comigo mesma, como no fim do mês de outubro.

Isto foi apenas um começo, porque daqui para a frente serão cada vez mais os desafios, os desconfortos e acima de tudo o crescimento a nível pessoal e profissional.

Uma das coisas que me acompanhou ao longo de todo o mês foi que se eu quero realmente alguma coisa, porque é que arranjo desculpas e formas de boicotar o meu sucesso?

Independentemente daquilo que possa estar a sentir neste momento, irei sempre ter as ferramentas necessárias para usar cada situação como um trampolim para atingir os meus objetivos.

O qual é o meu objetivo principal? É estar bem, realmente bem. E esse bem-estar é uma escolha. Posso escolher estar bem ou estar mal. Quanto mais escolher estar bem, mais motivos terei para continuar bem. Mas, quanto mais escolher estar mal, mais mal estarei.

Este mês de novembro será um mês de novidades. Irei palestrar na 1ª Convenção Internacional de Saúde Integral, sobre os temas “Miopia: uma visão distorcida da realidade” e “Não fui para a Universidade. E agora?”. São temas que fazem parte da minha experiência de vida e acredito que a melhor forma de tornar o mundo um sítio melhor é partilhar algo que é único: a minha experiência.

Este mês de novembro será o melhor mês da minha vida, porque irei fazer de cada momento o melhor momento da minha vida!

Obrigado outubro e bem-vindo novembro!

Ângela Barnabé

Obrigado Setembro – Inventário Mensal 2017

setembro 2017

Setembro foi um início de um novo ciclo.

Comecei a partilhar um lado um pouco mais pessoal nas minhas reflexões diárias. Nunca imaginei o efeito que isto teria na minha vida, e se calhar nem mesmo hoje consigo posso imaginar por completo.

Mas, o que posso dizer é que me sinto melhor a cada dia que passa. Apesar de em alguns momentos ainda deixar que pequenas coisas me afetassem, depressa voltei ao trilho e permiti que o bem-estar permanecesse comigo.

Libertei-me de medos, inseguranças e dúvidas. Deixei cair muitas máscaras e admiti muitas coisas que preferia ter deixado na penumbra. Por vezes não é fácil para mim “dar o braço a torcer”, pois ainda me vejo a querer ter razão em vez de ser feliz.

A Ângela do início deste mês é muito diferente da Ângela que começa este mês de outubro.

As palavras de ordem do mês foram: certeza e confiança , pois só confiando é que posso realmente dizer que vivo. O controlo e a manipulação não passam de ilusões, pois quando uso este tipo de comportamentos, não estou a viver.

Não sei o que irá acontecer em outubro, mas afirmo com toda a certeza que setembro foi o melhor mês da minha vida.

Aos poucos liberto-me da miopia que me tolda a consciência e impede que eu veja o mundo claramente.

No fundo tomei consciência que tudo é uma escolha, e por muito que eu argumente, que eu resista ou rejeite, tudo, mas mesmo tudo o que eu experiencio é da minha responsabilidade.

Não há forma de mudar o que quer que seja sem me responsabilizar e aceitar a realidade que vivo.

Acredito plenamente que a vida está repleta de bênçãos e que a mim só me cabe permitir que elas jorrem na minha vida.

Obrigado setembro e bem-vindo outubro.

Ângela Barnabé

Podes ler os artigos do mês de setembro clicando aqui!

Obrigado agosto – Inventário Mensal

agosto2017

Aqui estou eu mais uma vez, para o inventário mensal, que, este mês está a ser feito a tempo e a horas.

Agosto foi um mês quente e repleto de emoções. Ao contrário do que acontecia antes, para mim, hoje, não existem meses de férias. Isso não significa que eu não paro de trabalhar, mas sim que faço o que gosto, da forma que gosto, onde eu quiser, portanto o meu ano é todo férias.

Uma das reflexões que me acompanhou ao longo deste mês é que eu estar à espera que me parabenizem por estar bem é a mesma coisa que estar à espera que me parabenizem por respirar. Parece que me esqueço daquilo que “passo” quando escolho que estar bem não é uma prioridade. Parece que estar bem é uma forma de agradar aos outros e não uma forma de fazer aquilo que estou cá a fazer: viver a vida em plenitude.

Esta reflexão ainda está um pouco “confusa” na minha mente, e se surgir uma forma melhor de expor o raciocínio irei escrever um artigo mais detalhado.

Rir-me dos meus momentos “menos bons” foi uma forma excelente de lidar com aquela parte de mim que ainda quer as coisas à sua maneira; que pensa que sabe tudo e que tem a mania de se culpar.

Não importa quantas vezes caímos; importa as vezes que nos levantamos. Não posso dizer que nunca mais vou julgar, ou que esta é a última vez que resisto à vida. Também ainda não consigo garantir que não me enrolarei mais em pensamentos negativos. Mas posso, no momento do agora, escolher estar bem. E ainda que tenha escolhido estar mal, a qualquer momento posso escolher levantar-me, rir-me um pouco, sacudir-me e continuar a maravilhosa jornada que é a vida.

Obrigado agosto e bem-vindo setembro!

Ângela Barnabé

Podes ler os artigos do mês de agosto clicando aqui!

Obrigado julho – Inventário Mensal

julho2017

Aqui estou eu a poucos dias do fim do mês de agosto, a fazer o inventário do mês de julho.

Hoje não vou falar daquilo que aprendi em julho, pois sinceramente as aprendizagens do mês de agosto estão mais presentes.

É engraçado o quão facilmente eu perco bons hábitos e quão facilmente ganho maus hábitos.

Escrever estes inventários, bem, escrever no geral, ajuda-me a cimentar os conceitos, ou seja, a definir aquilo que eu vou aprendendo e construir a base para novas aprendizagens.

Mas, depressa esqueço esses benefícios e acomodo-me à zona de conforto. E depois sinto-me mal por não ter continuado a fazer tarefas que me fazem bem.

Hoje decidi fazer diferente. Em vez de continuar com o mau hábito de me culpar por perder bons hábitos, estou aqui a escrever sobre isso mesmo, fazendo um inventário mensal, numa altura pouco convencional.

Criei um bom hábito, não sei por quanto tempo.

Até ao próximo inventário (daqui a uns dias).

Obrigado julho e bem-vindo agosto….

 

Aproveito para deixar-vos o link do Workshop Gratuito “Ser para Ter uma Mente Criativa!”. Clica aqui para saberes mais.

Podes ler os artigos do mês de julho clicando aqui!

Holler Box

Pin It on Pinterest