Hoje apercebi-me do quanto eu gosto de apressar as coisas. De tentar saltar etapas e de arranjar atalhos, apenas para acabar em becos sem saída, com a única opção de voltar a atrás e fazer tudo de novo.

Tive esta reflexão devido à cozinha, assim como tantas outras ao longo destes 2 meses.

Sempre tentei fugir a untar a forma (já escrevi sobre isso aqui); não queria deixar as massas levedarem durante o tempo necessário e também não tinha paciência para deixar o óleo aquecer antes de fritar alguma coisa.

Em que é que isto resultava?

A maior parte das vezes não resultava, pois o eliminar passos importantes boicotava todo o processo. Nas vezes em que saía dali alguma coisa, o resultado ficava sempre aquém daquilo que era esperado.

Nas alturas em que seguia os passos, sem questionar, o resultado superava as expectativas e era presenteada com algo muito superior àquilo que poderia imaginar.

Em que é que isto interfere na forma como levo a vida?

Interfere em tudo. Como faço isto nas pequenas coisas, nas grandes o processo é o mesmo.

Na maior parte das vezes fujo a passos essenciais ou procuro atalhos ao caminho que tenho que percorrer e acabo por boicotar todo o processo.

Noutras alturas, consigo chegar a algum lado, mas nunca explorando nem usufruindo de todo o potencial disponível, pois ignorei algumas das bases que me permitiriam chegar mais alto.

Mas naqueles momentos em que sigo sugestões, nos momentos em que confio e largo, sabendo que nada me faltará e que irei sempre colher o melhor para mim; nesses momentos o milagre acontece.

Tudo o que resulta desta postura é quase impossível de imaginar pois supera quaisquer expectativas, quaisquer cenários que eu possa imaginar por mais bonitos e fantásticos que sejam.

É nesses momentos que paro e me questiono porque é que não me permito viver sempre a vida assim.

Lembro-me então que a vida é um treino e que a pouco e pouco fico melhor e melhor na arte de deixar fluir e confiar.

Obrigado por este dia repleto de passos nesta caminhada que é a vida!

Até amanhã!

Ângela Barnabé 

Podes também gostar de:

Holler Box

Pin It on Pinterest