Hoje pensei na quantidade de vezes em que quero que a minha vontade se sobreponha a tudo o resto.  

Por muito que eu queira as coisas à minha maneira, o melhor é que a minha vontade não seja feita. Tenho tido muitas provas disso ao longo da minha vida.

Se pensar bem cada vez que quero que tudo aconteça à minha maneira, vou acabar por manipular e controlar as situações. Se manipulo e controlo significa que não confio na vida.

Se estou a agir não confiando na vida, muito provavelmente o resultado será algo que não me trará bem-estar.

Se olhar bem para a maneira com que encaro a vida e as situações diárias, ainda consigo identificar momentos de baixa-autoestima, alturas em que não me responsabilizo e ainda sentimentos de separação.

Como é que eu posso querer que as coisas corram à minha maneira e que isso traga um resultado benéfico se a minha postura ainda é contrária à forma como o Universo age?

Se eu estivesse em harmonia com a forma de funcionar do Universo; se já me sentisse plena e realmente satisfeita com o que sou neste momento, talvez estivesse em condições para decidir a melhor forma de as situações se desenrolarem.

Mas também de estivesse em sintonia com o Universo de certeza que não estaria a pensar numa alternativa melhor aos acontecimentos, mas sim estaria focada em usufruir de cada momento e de cada aprendizagem.

Enquanto rotular as situações; enquanto pensar em melhores alternativas, nunca estarei a agir a partir de um lugar de pura aceitação e gratidão e nunca poderei obter aquilo que realmente necessito.

Que seja feita a vontade do Universo e que eu possa apreciar verdadeiramente o fluxo e processo da vida!

Obrigado!

Ângela Barnabé

Foto original por freestocks.org on Unsplash

Pin It on Pinterest