Tenho pensado naquilo que neguei no passado. Nas coisas que resisti e nos momentos em que me deixei cegar por ideias pré-concebidas em relação aos outros, à vida e em relação a mim.

Tive muitos momentos em que me senti sozinha, abandonada, sem esperança no futuro. Mas será que isso correspondia à realidade? Será que naqueles momentos eu estava realmente sozinha, ou apenas me recusava a abrir os meus olhos para aquilo que estava disponível para mim?

Pergunto-me tudo isto ao observar a realidade que vivo hoje. Nos poucos momentos em que resisto à vida, sinto novamente toda aquela onda de “negativismo” a inundar-me. Mas, se mudar a minha postura, tudo aquilo desaparece, e só consigo observar beleza.

Afinal quem é que impede que tudo flua? Toda aquela ideia que a vida não é boa para mim não é verdadeira, porque mesmo nos momentos em que neguei o processo das coisas, nos momentos em que resisti firmemente à mudança, ainda assim fui encaminhada para o melhor possível.

Sou realmente abençoada, mas no fundo sempre fui. Tive sempre aquilo que precisei, as ferramentas que conseguia conceber e as pessoas certas apareceram sempre no momento certo.

Todo o sofrimento não foi causado por aquilo que acontecia, mas sim pela minha postura e por aquilo que eu escolhia perante as situações com que me deparava.

Tudo é um treino, uma aprendizagem e uma oportunidade de crescer e de ser uma pessoa melhor.

Se vejo oportunidades de melhoria em todo o meu percurso de vida? Vejo sim, mas isso não significa que eu cometi erros. Apenas fiz o melhor que sabia num dado momento, consoante a minha consciência da altura.

Cada vez mais sinto-me “crescer” e isso apenas acontece porque me permiti melhorar e me abri ao fluxo e ao processo da vida!

Obrigado por este dia repleto de bênçãos!

Até amanhã!

Ângela Barnabé 

Foto original por Oscar Nord on Unsplash

Pin It on Pinterest