a vida está aqui

Os objetivos sempre desempenharam um papel na minha vida. Seja a sua ausência, que me levou a um caminho de indiferença em relação à vida; seja o seu “excesso” que me levou a um estado de ansiedade; os objetivos sempre contribuíram para o rumo que fui seguindo ao longo da minha existência.

Durante muito tempo, considerei a vida um constante alcançar de objetivos, na medida em que só estaria a aproveitar realmente a vida se conseguisse atingir o máximo de metas possível, num curto espaço de tempo.

Não importava o que tinha que fazer, fosse controlar, manipular, “pôr a carroça à frente dos bois”… quando atingisse aquilo que tinha programado tudo passava e podia usufruir daquilo que tinha alcançado.

Mas o que realmente acontecia era que mal eu conseguisse por as mãos naquilo que queria, já estava ansiosa de conquistar o “nível” seguinte e assim sucessivamente, nunca apreciando nem o caminho que me levava onde queria ir, nem o destino ao qual chegava.

E quando não conseguia obter o que queria da minha maneira e no tempo que eu programava, ficava de tal maneira ansiosa que mesmo vendo que tudo estava a acontecer da melhor maneira e que se não tinha aquilo num dado momento era porque o momento certo ainda não tinha chegado, duvidava de tudo e bloqueava todo o processo.

Com o tempo, o conceito de que tudo vem ter comigo no momento certo foi se firmando e comecei a expandir a consciência para ter objetivos e largar, ficando a ansiedade e a dúvida de parte.

Mas hoje, no meio de todas as aprendizagens, no meio de objetivos alcançados, no meio de acontecimentos que nunca pensei serem possíveis e que me realizaram mais do que qualquer objetivo, estou a abrir-me para uma nova consciência.

A vida não está lá… Viver não é alcançar objetivos uns atrás de outros, nem mesmo quando  eles são alcançados através do pôr ação e largar.

A vida está aqui, neste momento.

O tempo que passo a definir objetivos, a pensar que quando isto ou aquilo acontecer tudo vai melhorar, é um tempo que não é vivido e que não volta mais.

As melhores coisas da minha vida aconteceram de forma inesperada e mais do que isso: nunca foram objetivos meus. Foram oportunidades que surgiram de onde eu nunca pensaria e que mudaram tudo.

Cada vez que me apeguei a um objetivo, limitei-me a uma possibilidade que conseguia conceber e não permiti que o infinito leque de acontecimentos me fosse apresentando.

Quando deixei ir, tendo apenas na minha mente o abrir-me a todas as possibilidades, foi presenteada com tudo o que era maravilhoso.

Mas agora vem a pergunta: devo largar todos os meus objetivos?

Não, penso que a ideia não será bem essa. Mas em vez de deixar que os objetivos comandem a minha vida, devo apenas usá-los como linhas orientadoras.

Um objetivo pode bem ser como uma chave que abre uma porta. Ao pensar em algo que quero alcançar, agarro na chave. Depois de pôr ação, abro a porta. De seguida basta observar aquilo que se esconde por detrás da porta e aproveitar até ao último segundo tudo aquilo que está reservado para mim.

Mas mais importante que os resultados, que o alcançar de objetivos, está o apreciar cada momento, cada passo da aprendizagem. A vida não está lá… A vida está aqui!

Ângela Barnabé

Pin It on Pinterest