Reagir aos acontecimentos – 37 de 365

reagir aos acontecimentos

Quando no dia-a-dia o movimento da vida é visível, quando eu consigo observar o fluxo e a forma como as coisas se desenrolam é fácil estar bem e confiar. Mas quando as coisas estão aparentemente paradas e quando até me deparo com situações que julgo ser menos agradáveis, manter uma postura de confiança pode ser mais desafiante.

Se em algum momento, por muito que eu pense que estou bem, alguma situação “mexer comigo” e me “faça” reagir, a verdade é que no fundo aquele “bem-estar” era apenas uma máscara.

Os acontecimentos servem para me mostrar aquilo que eu estou a escolher criar, aquilo que preciso limpar e aquilo que está dentro de mim.

Se eu estou a reagir aos acontecimentos, se apesar de afirmar que confio e que agradeço, na hora da “verdade” continuo da maneira de sempre, a mudança ainda não está completa.

É verdade que é com o treino que vou aprendendo a confiar e que vou largando aquilo a que me agarrei durante tanto tempo. A primeira tendência é fazer como sempre fiz.

Mas quando tenho uma ação que não está em harmonia com aquilo que eu quero criar na minha vida, em vez de me desresponsabilizar ou de me culpar, tenho apenas que limpar e ter consciência que aquilo ainda está dentro de mim.

Se apesar da primeira tendência, eu escolher agir em conformidade com aquilo que faz mais sentido para mim no momento, estarei a contribuir para me libertar da tendência e a dar mais um passo na construção de uma mudança.

Se eu largar e me entregar completamente à vida, a mudança é simples e rápida. Mas como eu ainda estou apegada a conceitos, nem sempre a transformação ocorre dessa maneira.

Grata por este dia repleto de crescimento,

Ângela Barnabé

Como é que as coisas acontecerão? – 36 de 365

Dou por mim muitas vezes a pensar na forma como as coisas acontecerão no futuro. Será que tudo se irá desenrolar da maneira que eu espero e que consigo conceber, ou será que serei surpreendida pela vida, como acontece na maioria das vezes?

A verdade é que eu tenho uma visão bastante limitada da realidade. Todos os conceitos aos quais eu ainda me agarro não me permitem ver todas as possibilidades e aquelas que me permite ver acabam por estar toldadas por julgamentos.

Pensar na forma como as coisas acontecem não é muito inteligente, porque tudo acontece sempre da melhor maneira.

É muito mais importante pôr ação e procurar sentir-me bem em todos os momentos. Ao pensar em algo, ao conceber uma possibilidade, eu estou a trazer isso mesmo para a minha realidade.

Sendo que a minha visão é limitada, por muito boa que seja a minha intenção e por muito bom que seja o resultado que eu imagino, nunca terei a certeza que as coisas correrão da melhor maneira possível.

O tempo que perco a pensar o futuro posso usá-lo para criar coisas no presente. Posso usá-lo a apreciar as bênçãos que tenho disponíveis, a valorizar cada acontecimento.

Em vez de escolher reagir ao que está a acontecer porque os resultados não se enquadram naquilo que imaginei, posso escolher agir consoante aquilo que está a acontecer no momento e confiar que tudo aquilo que eu preciso vem ter comigo, no momento certo.

Grata por este dia maravilhoso,

Ângela Barnabé

Quem realmente sou – 35 de 365

quem realmente sou

Muitas vezes achei que tinha que encontrar quem eu realmente era. Que existia uma definição de mim mesma e que ao tirar camadas de preconceitos, de medos, inseguranças e de tantas outras coisas iria encontrar a verdadeira “Ângela”.

Aí iria encontrar o que me faria feliz, iria encontrar o que fazia sentido para mim, a minha missão, e que tudo se iria alinhar perfeitamente, permitindo-me viver uma vida plena e satisfeita.

Mas cheguei à conclusão que isso é uma perda de tempo.

É importante observar-me em cada momento; estar atenta àquilo que sinto e procurar agir sempre em sintonia com aquilo que quero vivenciar e com aquilo que faz sentido para mim.

Mas não existe uma definição certa e verdadeira de mim mesma. Existe um corpo que é influenciado por aquilo que eu sou; existem traços a ser melhorados, através da responsabilização e de um olhar consciente daquilo que me rodeia.

Mas uma versão de mim mesma a alcançar, uma imagem “perfeita” criada por mim que supostamente irá suprir as minhas necessidades e que vai mudar a minha vida não existe.

Eu sou aquilo que sou neste momento.

Aquilo que fui no passado foi o melhor que pude ser, dada a minha consciência na altura. Aquilo que serei no futuro ( se é que esse futuro irá acontecer) é uma junção daquilo que escolho ser no momento presente e aquilo que eu decidir, consoante aquilo que vier a vivenciar.

Se eu estiver atrás de uma imagem daquilo que poderei vir a ser, não estarei a apreciar aquilo que me está a ser apresentado no momento e não estarei a aplicar o amor incondicional que busco sempre viver ( e que raramente consigo praticar).

Quem realmente sou é quem me permito ser no único momento em que isso é possível: Agora!

Grata por este dia maravilhoso,

Ângela Barnabé

3 lições que aprendi em abril de 2019

3 lições que aprendi em abril

Abril, o quarto mês do ano, e que à semelhança do mês de março, tem vindo a ser sinónimo de mudanças profundas, de novos projetos e de novos ciclos.

Estes 30 dias trouxeram-me muito, e do tanto veio até mim, deixo 3 lições que aprendi em abril:

  • A vida passa muito rápido: no início deste ano refleti sobre este tema, e ao ver o ano a passar tão rápido, ao sentir tantas coisas a acontecerem a uma velocidade estonteante, sinto mais profundamente o quão urgente é aproveitar aquilo que estou a viver e permitir que tudo flua para que mais e melhores coisas possam surgir.
  • As escolhas que faço guiam a minha vida: muitas vezes pensei que as minhas escolhas era traduzidas apenas em ações, mas a verdade é que mesmo sem fazer nada, posso estar a escolher. Posso escolher desempenhar determinado papel, apenas sentindo-me de maneira diferente e assim influenciar tudo o que me rodeia.
  • Tudo acontece no momento certo: já devo ter escrito esta frase dezenas de vezes e provavelmente tenho mais do que um texto escrito sobre este tema, mas nunca me canso de reparar na perfeição com que as coisas acontecem na minha vida. Posso duvidar e apenas ver as coisas pela sua aparência, mas mais cedo ou mais tarde irei reparar em quão perfeitamente tudo se encaixa e como tudo acontece no momento certo, sempre.

Obrigado abril e bem-vindo Maio!

Ângela Barnabé

Estar consciente daquilo que crio – 34 de 365

estar consciente

Quando algo tem que acontecer irá acontecer. Independentemente de qualquer tipo de controlo ou de manipulação para que as coisas aconteçam mais depressa ou mais devagar, no momento certo serei presenteada com o resultado das minhas criações.

Um dia destes escrevi sobre colher e semear. Ao pôr ação eu estou a semear e aquilo que eu sinto em relação àquilo que semeei é como se fosse o adubo, a água e tudo aquilo que a “planta” precisa para crescer.

Não é preciso pensar muito para chegar à conclusão que aquilo que me leva a pôr ação influencia aquilo que sinto, e se o que sinto tem algo a ver com ansiedade, medo ou dúvida, de certeza que a minha “sementeira” não vai vingar.

Agora, pondo de parte a questão dos objetivos e de pôr ação em algo específico, porque isso limita as minhas experiência e os meus resultados, vejamos isso de uma perspectiva mais ampla que abranja toda a minha vida.

Cada vez que eu me sinto bem, cada vez que lido de forma saudável com os acontecimentos, para além de estar a criar um mundo melhor, estou a semear mais bem-estar para o futuro.

Tudo é possível, certo? As melhores coisas que me acontecem são aquelas que eu não consigo prever. Tudo o que me acontece é resultado de uma criação minha.

Portanto em vez de preocupar como e o que vou colher no futuro, porque de tantas possibilidades apenas vou conseguir conceber uma ínfima parte, tenho que estar atenta e consciente daquilo que estou a semear, sem apego aos resultados.

Fico cada vez mais surpreendida quando deixo fluir e me foco em sentir-me bem. Fico também mais atenta à importância de estar consciente daquilo que crio e da responsabilidade que está nas minhas mãos.

Grata por este dia repleto de criações,

Ângela Barnabé

Tudo é possível – 33 de 365

tudo é possível

Dentro da minha visão limitada da realidade não consigo conceber todas as possibilidades de acontecimentos. Coisas aparentemente sem solução ou com uma solução bem complicada têm inúmeras possibilidades de resolução bem simples e eu na maioria das vezes não as consigo ver.

Aquilo que parece bem, aquilo que eu sempre quis e que coloco como objetivo na minha vida , pode, de entre todas as possibilidades que existem, não ser o melhor que me pode acontecer.

As possibilidades que eu consigo conceber estão condicionadas a conceitos em relação à vida, a mim mesma e ao mundo que me rodeia.

Se eu apenas me limitasse àquilo que consigo imaginar e conceber não teria feito 1% daquilo que fiz nestes últimos cinco anos.

Viver e apreciar a vida não se trata de controlar o curso dos acontecimentos nem de ficar apegada a determinados objetivos. Trata-se de fazer o que é preciso no momento que é preciso e de aproveitar aquilo que me vai sendo apresentado.

É preciso pôr ação constantemente; movimentar ideias que surgem, deixar-me guiar por aquilo que estou inspirada a fazer e confiar que aquilo que eu preciso vem até mim, sempre.

A tendência para ficar agarrada a ideias e a conceitos ainda existe, mas quando me deparo com isso reflito naquilo que a resistência e o controlo me trouxeram.

Fizeram-me sentir bem? Permitiram-me criar harmonia e uma vida cada vez melhor? A reposta é sempre não e a solução é não perder tempo com aquilo que não me faz bem.

Tudo é possível. Basta sair do meu próprio caminho, confiar no percurso e apreciar todas as bênçãos que me são trazidas de maneiras que nunca poderia conceber.

Grata por este dia repleto de “possibilidades”,

Ângela Barnabé

Pin It on Pinterest