3 lições que eu aprendi em março de 2019

3 lições que eu aprendi em março de 2019

Março, o mês em que se inicia a primavera. As flores começam a desabrochar, os pássaros ouvem-se cantar com mais alegria; começa um novo ciclo.

Desde 2013 que todos os anos são sinónimo de mudança e o mês de março representa um grande marco no que toca a metamorfoses e transformações.

De entre tudo o que aconteceu durante estes 31 dias, deixo 3 lições que aprendi em março:

  • Tudo acontece no momento certo: por muitas voltas que dê, por muito que tente manipular e por muito que eu aja de maneira a que todo o fluxo fique bloqueado; as coisas vão acontecer no momento certo. Quando eu estiver pronta tudo se encaixará e irei ter aquilo que eu preciso, no momento certo.
  • Entregar-me plenamente ao que faço: para que possa sentir satisfação naquilo que faço e para que os resultados que eu receba sejam sempre os melhores possíveis tenho que me entregar plenamente àquilo que faço, sem medo e dúvidas e principalmente sem apego nem expectativas em relação àquilo que possa vir no futuro, fruto das ações de hoje.
  • Se não me sentir bem, nada vai estar bem:  por muitas voltas que dê, por muito que procure fora de mim, se eu não me sentir bem comigo mesma, não me poderei sentir bem com nada e nada estará bem à minha volta.

Obrigado Março e bem-vindo Abril!

Ângela Barnabé

3 lições que aprendi em fevereiro de 2019

3 lições que aprendi em fevereiro de 2019

Fevereiro, o segundo mês do ano. O mês mais curto, mas que não foi por isso sinónimo de menos mudança ou de menos vida.  Com tudo o que aconteceu, aqui vão três lições que aprendi ao longo destes 28 dias:

Fazer e largar sem apego ao resultado é garantia de sucesso: esta lição é resultado de coisas que foram acontecendo desde dezembro de 2018, mas foi em fevereiro que me apercebi que quando dou o meu melhor, confiante de que o que acontecer será sempre o melhor, tudo flui com uma suavidade enorme e aquilo que recebo no final é sempre melhor do que eu poderia imaginar.

Aquilo que é meu é aquilo que eu escolho usufruir: por muitas coisas que eu possa ter, por muito que eu possa ler, ouvir e conhecer, aquilo que é realmente meu é o que eu escolho usufruir. O que eu recebo das situações é o que eu escolho levar comigo, portanto tenho que estar atenta àquilo que eu escolho carregar durante esta viagem que é a vida.

Seja o que o Universo quiser: esta lição esteve tão presente que até escrevi uma reflexão dedicada inteiramente a ela. Este é um truque que eu utilizo para aprender a confiar. Em vez de perder tempo a pensar no que pode ou não pode vir a acontecer, escolho confiar naquilo que o Universo e a Vida trazem até mim, agradecendo todas as oportunidades de crescimento.

Obrigado fevereiro e bem-vindo março!

Ângela Barnabé

3 lições que aprendi em janeiro de 2019

Janeiro, o primeiro mês do ano, o mês do meu aniversário, com 31 dias repletos de oportunidades de crescimento. Com toda a certeza, trouxe-me mais do que três aprendizagens, mas no meio de tanta coisa que aconteceu, no meio do tanto que cresci, gostaria de realçar três lições que levo comigo para o desenrolar deste ano ( e para o desenrolar da minha vida):

Nada é o que parece: isto não é novidade para mim, mas ao longo do mês de janeiro tenho-me apercebido do quanto eu me deixo levar pelas aparências e quanto eu permito que isso influencie as minhas decisões. Tendo eu as “vistas curtas” ( metafórica e literalmente falando), não me  posso dar ao “luxo” de julgar o que quer que seja. Quando abro a minha mente e observo aquilo que acontece sem querer rotular, fico sempre surpreendida pelo que está oculto por detrás das aparências.

As coisas passam demasiado rápido: sempre me disseram para aproveitar bem o momento porque as coisas passam demasiado rápido. Mas eu, pela minha pouca vontade de olhar para aquilo que me rodeava, não prestava atenção a isso. Nos últimos anos ( e principalmente durante o mês de janeiro) vi como tudo voa, como as coisas acontecem a uma rapidez impressionante. É cada vez mais urgente despertar para a importância de valorizar tudo aquilo que vivencio.

Aquilo que acontece é o que eu preciso: posso vir com teorias e com a mania que sei o que é o melhor para mim, mas a verdade é que não há nada que contribui mais para o meu crescimento e bem-estar do que aquilo que a vida me traz. O que eu tenho que fazer em todos os momentos é saber que se algo acontece eu estou preparada para lidar com isso e confiar que tudo acontece por um motivo e que a vida sabe o que faz.

Obrigado janeiro e bem-vindo fevereiro!

Ângela Barnabé

O encerrar de um ciclo – 365 de 365 – Inventário anual 2018

Cada dia que começa marca o início de um novo ciclo. Dia 31 de dezembro de 2018 terminou um ciclo de 365 dias repletos de muita coisa: crescimento, alegria, felicidade e abundância.

Foi um ano de muita mudança e afirmo com toda a certeza que sou uma pessoa completamente diferente do que era no início deste ciclo.

Sou muito grata por tudo o que aconteceu: pelas pessoas que conheci, pelos sonhos que concretizei, pelos objetivos que criei e por aquilo que cresci.

2018 foi o melhor ano da minha vida!

Talvez porque decidi que seria isso o que iria acontecer; talvez porque independentemente do que foi acontecendo eu tenha escolhido que isso contribuísse sempre para que eu me tornasse uma pessoa melhor; ou mesmo porque em vez de ter ficado no caminho do fluxo tenha permitido (quase sempre) que as coisas acontecessem como deviam acontecer…

Dia 31 comemoro o encerrar de um ciclo; de 12 meses de criação, de 52 semanas de crescimento e de 365 dias de autodescobrimento.

Obrigado 2018 por todas as bênçãos e obrigado vida por, mesmo com toda a resistência, mesmo com a teimosia de querer as coisas à minha maneira, sempre me possibilitaste a mudança e a escolha de algo que estivesse mais em sintonia com o mundo que eu quero criar.

Obrigado 2018 e bem-vindo 2019!

Ângela Barnabé

Querido Novembro… – Inventário Mensal 2018

querido novembro

Querido Novembro,

Penso que todo este ano tem vindo a ser uma preparação para estes momentos intensos vividos neste último trimestre de 2018. Os últimos meses do ano costumam ser calmos, como que uma pausa antes do início de um novo ciclo de 365 dias que se seguirá.

Mas este ano não foi assim. Novembro trouxe muito crescimento, muitas lições e muita agitação. Mas isso é que é a vida; movimento, mudança e evolução.

Em vez de procurar a estabilidade, ao longo destes 30 dias tentei “habituar-me” à ideia de que viver não é procurar a zona de conforto. Sim, porque quanto mais cedo eu me habituar a essa ideia, melhor serão os meus dias.

A vida não pára e por mais que eu resista e me recuse a acompanhar o seu fluxo, as coisas sempre acontecerão da maneira que têm que acontecer.

Se eu resistir terei sofrimento, ansiedade e cada dia será apenas mais um dia. Se eu permitir o fluxo ( e me deixar levar com ele) terei bem-estar e confiança e cada dia será mais uma oportunidade para usufruir de todas as bênçãos.

Pelo que sei ( ou penso que sei) Dezembro ainda será mais movimentado e com certeza terei mais 31 dias para ser uma pessoa cada vez melhor, para que possa ter um mundo cada vez melhor.

Obrigado Novembro!

Ângela Barnabé

Querido Outubro… – Inventário Mensal 2018

querido outubro

Querido outubro,

Se eu pensava que agosto e setembro tinham sido intensos, tu mostraste-me que vinha por aí muito mais do que eu poderia imaginar.

Nestes 31 dias aprendi tanto, cresci tanto e trabalhei tantos aspetos em mim que é quase difícil reconhecer-me hoje, enquanto escrevo estas palavras.

Não dou por terminado o meu trabalho de crescimento, longe disso, mas ao deparar-me com todas oportunidades para crescer vejo que a única coisa que eu tenho que fazer é confiar e deixar-me ir.

Eu não sei não sei o que é o melhor para mim, não sei o que está por detrás dos acontecimentos, não sei onde a vida me leva… Mas sei que o que acontece é o melhor para mim. Sei que posso sentir-me feliz e realizada em cada momento.

Sempre ansiei uma vida estável, em que teria todos os meus objetivos realizados e seria só apreciar a vida.

Mas tenho vindo a tomar consciência que vida é crescimento. Que é naqueles momentos em que tudo parece um caos, que as coisas fazem sentido. Não é uma questão de lógica nem de tentar perceber.

É nesses momentos que baixo os braços, largo e confio que  por magia tudo se encaixa. Viver é tão simples e quem complica e cria todo o sofrimento sou eu quando tento entender.

Tudo tem um propósito e quanto mais depressa tomar consciência disso, mais depressa poderei usufruir realmente da vida.

Obrigado Outubro!

Ângela Barnabé

Pin It on Pinterest

Copied!