loader image

Mudança

Não serve de nada afirmar que quero mudar e ao mesmo tempo resistir quando a mudança surge. A vida naturalmente encaminha-me para aquilo que eu preciso e eu só tenho que estar aberta às infinitas possibilidades e não me deixar boicotar as oportunidades que me são apresentadas.

Ângela Barnabé

Julgar e rotular

Não confiar na vida, na única coisa que nunca me abandonará, é de uma enorme falta de inteligência. Sempre que uma situação surgiu na minha vida, tive ao meu dispor as ferramentas e a capacidade de lidar com os acontecimentos da melhor maneira possível.

A falta de confiança leva-me ao julgamento, leva-me a pensar nos “e se’s?” e impede-me de ver com clareza as minhas capacidades e a perfeição do fluxo e do processo da vida. Leva-me a rotular o que seria bom ou mau e não me permite observar as situações com uma visão mais ampla.

Tem sido um grande treino trabalhar a confiança e os resultados não poderiam ser melhores: sinto-me cada vez mais em harmonia com a vida!

Ângela Barnabé

Esperar o Inesperado

Esperar o inesperado

Estar aberta a todas as possibilidades é a chave para me sentir bem com o desenrolar dos acontecimentos ao longo do dia-a-dia. Posso estar na expectativa que algo aconteça e ficar desiludida ou posso estar expectante e aceitar aquilo que a vida me traz, que é o que eu verdadeiramente preciso!

Ângela Barnabé

Esforçar-me ou deixar fluir?

Antes achava que a melhor maneira de conseguir as coisas era esforçando-me, perseguindo aquilo que queria alcançar até à exaustão. Mas hoje sei que a melhor maneira para que tudo aconteça na minha vida é fazer a minha parte (pôr ação) e deixar fluir, que tudo virá até mim no momento certo.

Ângela Barnabé

Expandir a consciência: a solução para inúmeros problemas

expandir a consciencia

Devido ao sistema educacional vigente neste momento e a todos os conceitos passados diariamente a jovens de todo o mundo, cada vez mais aumenta o número de ansiosos e deprimidos.

Já fui uma jovem bastante ansiosa. Aos 17 anos sentia-me sem propósito na vida. Buscava preenchimento constante e sentia-me cada vez mais só, mais ansiosa e mais infeliz com a vida que vivia.

Quando me foi apresentada uma nova forma de ver a vida, e quando comecei a expandir a minha consciência, cheguei à conclusão que a solução para os meus problemas esteve sempre bastante perto de mim.

Hoje aos 22 anos a minha postura em relação à vida é bastante diferente do que era no passado. Mas o que é que mudou?

A minha consciência.

A nossa consciência cria a nossa realidade. Uma consciência fechada e limitada impede-nos de ver mais além e também de ver todas as bênçãos que estão bem perto de nós. Mas uma mente aberta e em constante crescimento, guia-nos para uma vida cada vez melhor, mais feliz e de certeza com um maior sentimento de realização.

Aos poucos, com o expandir da minha consciência vejo grandes mudanças acontecerem e vejo como tudo se torna mais simples.

O que antes era um problema, agora é uma oportunidade de crescimento. Vida é isso: crescimento.

Basta abrirmo-nos a isso que tudo começa a fluir e os milagres começam a acontecer.

Ângela Barnabé

Falta de coerência ou mudança?

Lembro-me que em pequena que dava muita importância à coerência.

E o que era para mim coerência? Aquilo que dizia, sentia e pensava estavam em harmonia.

Por vezes, quando as figuras que eu considerava autoritárias diziam aquela famosa frase: “Faz o que eu te digo e não faças o que eu faço” sentia-me enganada, pois sentia que havia algo errado naquela postura em relação à vida.

Quando há quatro anos comecei a ver a vida de forma diferente, comecei a mudar diversos conceitos. Pensava então que a mudança estava concluída e comecei a escrever e a falar sobre esses novos conceitos.

Passado algum tempo, voltava a mudar esses conceitos, pois há medida que eu expandia a consciência, via esses mesmos conceitos de uma forma mais ampla. E então, voltava a falar dos novos conceitos.

Mas, daí a algum tempo, a situação voltava a acontecer e eu sentia-me constrangida de falar sobre a nova mudança.

Surgiu então dúvida na minha mente: será que eu estou a ser coerente? Agora digo uma coisa, daqui a pouco outra? Estou a tornar-me num “faz o que eu te digo, não faças o que eu faço?”.

Fiz esta pergunta e a resposta foi simples:

Há medida que mudas, vais permitindo que mais luz entre na tua mente, vendo coisas que antes não vias. Entre o tempo em que a mudança acontece, ages de acordo com os conceitos “vigentes”?

Sim, eu tentava ser coerente  com os conceitos adquiridos.

Tinha aí a resposta. A mudança é compatível com a coerência, pois eu agia consoante aquilo que acreditava. E quando mudava aquilo em que acreditava, mudava a forma como agia.

Aí o dilema dissipou-se. Ainda hoje me acontece escrever um texto ou partilhar uma ideia, que tempos depois deixa de estar desatualizada.

“Não há vida sem mudança”, diz António Fernandes.

Como é que ideias de há dez anos atrás podem funcionar hoje, depois de tanta coisa ter mudada?

Abrir a mente e deixar a luz entrar é essencial para uma vida de abundância, prosperidade e amor!

Ângela Barnabé

Pin It on Pinterest