atalhos

Muitas vezes na minha vida ando à procura de formas de não passar pelas situações. Procuro atalhos, tentando convencer-me que estou à procura de um caminho mais fácil e rápido, quando na verdade estou com a intenção de adiar mais um pouco, de fugir a passar pelos processos.

Há sempre uma maneira simples de resolver uma situação (a complicação normalmente está na minha cabeça), mas mais simples não significa que irá condizer com a minha vontade.

Nem sempre o caminho que parece mais curto é mais rápido. Nem sempre uma “solução” que apenas serve de remedeio me leva a um lugar tão bonito como eu estava a imaginar ou a prever.

Às vezes é preciso remexer naqueles aspetos que quero deixar quietos; é preciso admitir a mim mesma traços que tenho e que não queria assumir; é preciso desmanchar toda a estrutura para se voltar a construir.

Esse processo, que muitas vezes pode ser demorado e um pouco doloroso, não pode ser feito por atalhos. Tem que se seguir o caminho e o fluxo da vida e deixar que tudo, a seu tempo, aconteça da melhor maneira.

Mesmo tendo seguido muitas vezes por atalhos, encontrei-me, mais à frente no caminho, com uma nova oportunidade de trabalhar aquilo que foi evitado e adiado.

Com o tempo os atalhos vão sendo cada vez menos, mas também toda a mudança feita até aqui possibilita uma nova consciência, que permite lidar cada vez melhor com tudo aquilo que acontece.

Grata por este dia no caminho da vida,

Ângela Barnabé

Pin It on Pinterest