pitada de amor

Já escrevi várias vezes o quanto as minhas experiências culinárias me têm ensinado e o quanto elas têm despertado reflexões.

Nos últimos dias tenho cozinhado mais coisas novas, graças à partilha de experiências com pessoas de outros países e tenho notado uma maior fluidez nos meus atos.

Normalmente, levo a vida muito a sério e noto bastante rigidez na maneira como me comporto e me relaciono com a vida, comigo e com os outros. Essa falta de fluidez afeta tudo aquilo que eu faço, até mesmo cozinhar.

A maior parte das vezes ajo de forma pensada e repensada, não tendo a espontaneidade que desejo e isso faz com que as coisas não fluam com naturalidade.

Ao invés de lutar contra esses traços em mim, comecei a aceitá-los e, desta forma, a permitir a sua mudança.

Cozinhar é na verdade deixar a intuição fluir, aprender com as experiências e saborear não só o resultado final, como também todo o processo de confeção.

A vida é também assim e à medida que altero a minha perspectiva em relação à vida, altero a forma como me comporto em todas as suas áreas.

É incrível ver que quanto mais expando a minha consciência, mais fácil é deixar fluir e melhor consigo usufruir da vida e de todas as suas bênçãos.

Uma pitada de amor, outra de aceitação, outra de gratidão e no final tenho uma boa “refeição” para saborear!

Obrigado!

Ângela Barnabé

Foto original por Jamie Street on Unsplash

Pin It on Pinterest